Sistema FIEMS e Inpasa Brasil alinham possível parceria para qualificação em tecnologia e inovação

Publicado em 25 de Maio de 2021 ás 16h 45min

Mato Grosso do Sul terá a primeira unidade da Inpasa Brasil – maior indústria de etanol de milho da América Latina. A indústria, em fase de instalação na cidade de Dourados, irá produzir Etanol de Milho, DDGS (proteína de nutrição animal), Óleo de Milho e Energia Elétrica. Para auxiliar na instalação da nova planta e, também, no desenvolvimento contínuo do empreendimento, a Inpasa alinhou possível parceria voltada para qualificação profissional e desenvolvimento de projetos em tecnologia e inovação. Participaram da reunião realizada nesta sexta-feira (21/05), representantes do SESI, SENAI, IEL e da associação de Produtores de Bioenergia (Biosul). 

De acordo com o gestor de recursos humanos da Inpasa, Nelson Saraiva, a reunião com representantes do SESI, SENAI e IEL teve como objetivo estreitar os laços entre indústria e instituições. “Queremos já entrar nos fóruns de discussão para desenvolvimento do segmento aqui em Mato Grosso do Sul. É muito bom saber como Sistema FIEMS pode nos ajudar”, comentou. 
Na mesma linha, o presidente da Biossul, Roberto Hollanda, destacou a atuação do Sistema FIEMS junto às indústrias do Estado. “O crescimento do setor sucroenergético tem participação muito importante da FIEMS. A gente pode sempre se beneficiar de uma instituição muito atuante e não vai ser diferente com a chegada da Inpasa. Não temos dúvidas de que vai ser positivo para todo mundo, sobretudo num momento de criação de novos paradigmas, novos processos e novas tecnologias”, concluiu.

Segundo o gerente da Startup do Sistema FIEMS, Odilon Moura, a Inpasa é uma empresa muito ligada à evolução tecnológica e muito dinâmica no setor de Biocombustíveis. “Vamos conseguir contribuir bastante com a indústria, por meio de estratégias de desenvolvimento rápido da Startup e do desenvolvimento de modelos de treinamento avançado”, afirmou. 
O gerente executivo do Senai, Renato Tavares, destacou a expertise da instituição em qualificação profissional e também em tecnologia e inovação. “Temos plenas condições de atender as necessidades da Inpasa em várias frentes. O ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa) e o IST Alimentos e Bebidas (Instituto Senai de Tecnologia em Alimentos e Bebidas) vão poder ajudar nos processos produtivos. Vamos criar uma agenda por meio da Biossul para atendermos as demandas da nova indústria”, destacou. 


Já o superintendente do IEL, Silvio Marães Ferreira, ressaltou o perfil inovador da Inpasa e como o Instituto poderá contribuir com a empresa. “O IEL vai ser fundamental na inovação, na geração de negócios inovadores e, também, no contexto de capacitação executiva, formação de líderes, aprimoramento da liderança local. O PQF (Programa de Qualificação de Fornecedores) também poderia entrar nessa parceria, porque a empresa vai trazer uma mudança significativa no mercado”, disse. 

Sobre a Inpasa

O investimento da Inpasa foi anunciado em outubro de 2020 pelo governador Reinaldo Azambuja durante agenda em Dourados. A empresa, que tem unidades no Paraguai e no Mato Grosso, prevê gerar 200 empregos diretos e outros 150 indiretos na fase inicial. Com quase dois anos de obra, a usina deve entrar em operação no final de 2022.
A unidade terá capacidade instalada para processar 3,6 mil toneladas de milho por dia, totalizando 1 milhão de toneladas ao ano. 
A previsão é de produzir 426 milhões de litros de etanol ao ano e 297 mil toneladas de DDGs. Ainda deve produzir 24,7 mil toneladas de óleo ao ano e 179,63 GW ao ano de energia elétrica, com receita anual de R$ 1,42 bilhão.

 


Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.